25

Resenha - Afinidade

em quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Afinidade
Sarah Waters
Editora Record
375 páginas

No auge da era vitoriana, Margaret Prior é uma jovem solteira e rica que, transtornada com a morte do pai, tenta pôr fim à própria vida. Para ajudá-la a enfrentar esse momento difícil, o médico da família recomenda que ela se volte para algo que possa distraí-la dos problemas ao seu redor.  

Ela então decide levar algum conforto às detentas da Penitenciária de Millbank. Além disso, de acordo com as carcereiras, essa seria uma excelente oportunidade para mostrar aquelas mulheres como elas deverão se portar na sociedade quando forem libertadas.

Rodeada por assassinas e ladras, ela se torna próxima de Selina Dawes, uma médium que cumpre pena por fraude e roubo. Margaret logo embarca em uma jornada repleta de encantos, sombras e fantasmas - tudo em nome da paixão recém-descoberta. Margaret passa a receber diversos sinais do falecido pai e se vê mergulhada em um universo aterrador e sombrio, repleto de fantasmas, espíritos indomáveis e paixões condenadas pela sociedade época.

Quem é Selina Dawes? Como uma mulher tão doce, calma pode ser uma charlatã? Como ela conhece segredos tão íntimos de Margaret?Será que ela é uma verdadeira médium?

Intercalando os registros no diário de Margaret e as anotações de Selina antes de ir para Millbank, Afinidade é um livro rico em suspense e sensualidade, que reproduz com maestria a atmosfera sombria da Inglaterra do final do século XIX.

Sarah Waters me surpreendeu de tal forma com sua narrativa emocionante que não consegui largar o livro até descobrir tudo o que estava acontecendo na história. A forma como ela descreve a prisão e o cotidiano das detentas, deixou-me sensibilizada. 

Fiquei por horas com aquelas imagens na cabeça, das mulheres que eram destituídas de tudo o que as faziam femininas. Tudo bem que todas que estavam ali cometeram algum crime e precisavam de certa forma, compensar a sociedade por tudo o que fizeram. Mas ficarem caladas sem poderem conversar com ninguém, sem tomar banho (apenas duas vezes no mês), sem uma simples escova de cabelo, sem visitas, sem cartas de amigos e parentes... não consegui imaginar castigo maior que a solidão. Imaginá-las em um lugar frio, escuro, em poucas condições de higiene... foi triste.

Margaret se envolve totalmente com as presas e elas ficam felizes com cada visita. Ela passa a ser uma amiga para algumas das presas que não sabiam mais o que era uma simples gentileza humana.

Eu não vou entrar em detalhes do enredo, pois não quero estragar toda a emoção com qualquer detalhe que deixe escapar. Simplesmente não consegui perceber qual o caminho que a história estava trilhando, absorta em certos fatos que esqueci o óbvio que estava bem na minha frente. Sarah tece uma trama cheia de mistérios e suspense, inserindo diversos detalhes durante a narrativa levando o leitor a ficar agarrado às páginas, curioso para desvendar mais sobre o enredo.  E todo o mistério é devidamente explicado, onde você fica de queixo caído por nenhum momento ter prestado atenção nisso. 

Você será transportado para uma Inglaterra sombria, fria, com personagens sofridos, amargando a solidão, tentando viver através das regras da sociedade que não aceita o diferente. Impossível não sentir a tristeza impregnada nas paredes daquela prisão.

Eu simplesmente adorei as descrições das sessões espíritas no período das mesas girantes e materializações. O espiritismo começou a ser estudado em meados de 1850, época em que as manifestações precisavam ser essencialmente físicas para que as pessoas pudessem acreditar na veracidade das mensagens que os espíritos traziam. E a escritora introduz essa dúvida se todas essas manifestações eram reais, se os médiuns não eram simples farsantes, tudo em detalhes e condizente com a época. 

A Editora Record publicou outras obras da escritora, como Estranha Presença e Toque de Veludo. Afinidade é o primeiro livro que eu leio de Waters e apreciei sua narrativa carregada de emoções.

Livro surpreendente, com uma história que envolve do começo ao fim, para mim foi praticamente impossível descobrir tudo o que estava acontecendo. A narrativa de Sarah Waters é descritiva e carregada de emoção, o que pode levar o leitor a se cansar durante a leitura. Mas o mistério e o suspense que ela introduz na trama, fazem com que você não queria largar as páginas até chegar à conclusão. Com certeza, você ficará de queixo caído quando terminar a leitura.

Só posso dizer: uma ótima leitura!



25 comentários:

  1. Menina...


    Comecei a ler a resenha assim: 'nossa, que livro legalzzZZzZZZZ', mas na hora que chegou na descrição das mesas girantes fiquei OMG PRECISO LER ESSE LIVRO AGORAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA


    É lançamento? É mais antiguinho? Onde você conseguiu esse livro? CONTE ME TUDO NÃO ME ESCONDA NADA.


    *quebrando o porquinho now*

    ResponderExcluir
  2. Oi Lil!

    Eu adorei o suspense nesse livro, pena que eu achei ele um pouco parado...

    É lançamento \o/ Se não estou enganada, é do final de julho. Como sou uma pessoa curiosa, eu fico "fuçando" os sites das editoras, e foi lá que eu descobri kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Cá, quero esse livro também! Só fiquei com um pé atrás quando li tua resposta ao comentário da 'liliansilva' sobre o livro ser um pouco parado.
    Bom, mesmo assim vou arriscar. Listinha linda aumentando cada vez que eu passo pelo teu blog.


    Oh mundo crueeel! hehehe


    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Ale!

    Mas a história é ótima! Esse mistério e suspense que faz com que você não queira parar a leitura kkkk Eu simplesmente não consegui largar \o/
    Só não contei mais da história para não estragar a suspresa kkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. CARLAAAA PARAAAA de me atiçar! Comece a falar mal dos livros, para que eu nao sinta vontade de comprar.
    hahahahaha


    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Simplemente amei essa capa.
    Nunca tinha visto esse livro... nem lido sobre ele...
    Tô aqui de queixo caído com os 2 banhos por mês... eu ia morrer!!! Além de lidar com a solidão, a distância de todos os parentes ter que lidar com a falta de higiene. Isso é que era castigo, cruzes.
    Imagino que a visita da Margaret realmente tenha sido um bálsamo para elas... achei até corajoso da parte dela interagir com presidiárias.

    ResponderExcluir
  7. hahahaha pessoinha antenada você. #adoro

    2012/8/15 Disqus

    ResponderExcluir
  8. Adorei a história! Nunca li nada dessa escritora, mas é sempre bom variar um pouco. E o enredo é interessante, fugindo do padrão vampiro/lobo/fada/distopia. Esse vai para a lista, certamente ...

    ResponderExcluir
  9. HEy Ca!


    Gostei da proposta do livro. Parece bem denso, não?
    Anotadíssimo para o futuro.


    BEijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Lil!

    Sempre! Eu "fuço" em tudo quanto é canto kkkkkkk

    Sempre procuro saber das novidades kkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. Oi Ale!

    Mas a graça é "torturar" você com as resenhas ahhahahaha

    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Oi Dani!

    Eu ficava imaginando a solidão das presas, mesmo sabendo que cada uma cometeu algum crime. Eu achei drásticas as atitudes da cadeia....

    Realmente, ela foi corajosa kkk

    bjs!

    ResponderExcluir
  13. Oi Gabi!

    Sim, muito tenso!!!

    kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Oi Josi!

    Falou tudo! Essa história foge e muito dos padrões kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Pô Cá, desse jeito vou mandar pra ti a conta do meu analista, pq desse jeito nunca vou vencer esse vício. hahaha

    Tem um livro que eu abandonei duas vezes e queria saber se tu já leu... "a hospedeira" se tu falar bem dele vou pensar que nao coloquei dinheiro fora, e darei mais uma chance! hahaha

    Tá, eu sei que isso não tem nd a ver com o post! Desculpa eu :D

    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Tava até gostando da temática, mas entrou esse lance de espiritismo e me desmotivou.
    Não gosto de leituras que vão por essa linha.
    :(

    Bjoo.
    Nome de seguidora: Gladys Freitas.

    ResponderExcluir
  17. Nossa, que livro! Parece uma história incrível *-* E essa capa é linda demais - eu QUERO!

    ResponderExcluir
  18. Puxa vida, me ganhou... Tudo que envolve de alguma forma o espiritismo me fascina! E o livro parace bem forte e com um apelo dramático e eu curto isso em algumas fases... Vai pra lista! Capa lindíssima!!

    ResponderExcluir
  19. Oi Alê!

    Imagina! kkk

    Eu tenho esse livro mas ainda não li o.O

    Foi em um momento de compra em promoção que ainda não restou tempo para ler kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  20. Oi Gladys!

    Ahhh! Que pena!

    Mas calma que logo eu coloco mais novidades por aqui kkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  21. Oi Nanie!

    A capa é linda mesmo, né? kkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  22. Oi Gabi!

    Sim, o livro é bem dramático mesmo \o/

    kkk mais uma viciada kkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  23. Estou de olho nesse livro, mas estou vendo que ele é um tanto dramático... Mas deve ter uma trama interessante pelo que você descreveu na resenha... Vou guardar a dica.

    ResponderExcluir
  24. Oi Pá!

    É bem dramático mesmo, não sei se é um estilo que você vai gostar kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  25. Gostei da capa,adorei o suspense nesse livro ambientado na era vitoriana, Waters conta a história de Margaret Prior, uma jovem rica que decide modificar sua vida após a morte do pai, fico na expectativa para saber o que acontecerá

    ResponderExcluir

 
Google+