6

[Resenha] A Rosa da Meia-Noite

em segunda-feira, 2 de junho de 2014
Olá, pessoal!

Hoje, teremos a participação da querida Rosana do Livrólogos, com a resenha do livro A rosa da meia noite, de Lucinda Riley. Vamos conferir?

A rosa da meia-noite é um romance de amor, dúvidas e desencontros que nos revela a trajetória de uma mulher que busca a revelação de um obscuro segredo de família que a atormenta por gerações.

É a história de Anahita que hoje faz cem anos.

“Qualquer beleza que possa ser considerada valiosa em mim se esconde profundamente em minha essência.É a sabedoria de cem anos vividos…”

Ela acorda pela manhã e se lembra do filho que hoje estaria com 81 anos. Não o vê velho, lembra-se da partida deixando-o para trás quando ele tinha dois anos apenas. Ficou na Inglaterra.

Já na meia- idade, Anahita escreveu-lhe uma carta relatando a história de sua vida. Permanece até hoje escondida em uma gaveta no seu quarto.

“É uma carta com mais de trezentas páginas.”

Para celebrar a data, seus filhos, netos e bisnetos comparecem à sua residência em Darjeeling, Índia. Como ela sabe que lhe restam poucos dias de vida, entrega o amarelado manuscrito nas mãos do bisneto predileto, o empresário Ari, para que faça, quando achar que deve, a investigação sobre o passado de sua família na Inglaterra.

Anahita é uma menina de origem nobre, mas sem recursos financeiros porque havia ficado órfã de pai.

Conhece a princesa Indira e fica morando no palácio da amiga na condição de acompanhante.

“Indira e eu nos tornamos inseparáveis.”

Pouco antes do início da 1ª Guerra Mundial, elas vão para a Inglaterra para estudar num colégio. Em junho, como se espalhara os rumores da guerra, não puderam voltar para a Índia.

Foram para Devon (sudoeste da Inglaterra) em Astbury Hall, passar férias com uma família conhecida dos pais de Indira.

Anahita estava com 14 anos. Passeando, pela manhã, nos jardins da propriedade, ela conhece o jovem Donald Astbury e logo começa uma história de amor eterno. As férias acabam e eles se correspondem frequentemente.

Ele parte para um treinamento militar, ela volta para a escola. Assim que conclui os estudos, vai trabalhar no Destacamento de Ajuda Voluntária.

Após o término da guerra Anahita e Donald se encontram e continuam felizes; porém, ela precisa ir à Índia, pois a princesa Indira se encontra muito doente.

Atendendo à solicitação da mãe da princesa, Anahita parte prometendo que se corresponderia com Donald. Infelizmente, isso não ocorreu porque a mãe de Donald, senhora Astbury, maldosamente, interceptava todas as cartas que chegavam. Os meses iam se passando e, Donald desiludido e sem esperança de rever Anahita, aceita casar-se com a bela Violet, filha de um rico empresário de Nova York. Era abril de 1920.

Oitenta anos depois, uma jovem atriz norteamericana, Rebecca Bradley, parte para a Inglaterra; vai fazer o papel de uma aristocrata dos anos 20, no filme — O silêncio da noite. A locação para as filmagens é exatamente a decadente Astbury Hall (onde Anahita conhecera e amara Donald),isolada região à sudoeste da Inglaterra.

Após algumas semanas de filmagens, o velho palacete recebe uma inesperada visita: Ari Malik, o bisneto de Anahita, disposto a desenterrar os segredos da dinastia Astbury. Rebecca que já estava familiarizada com a casa e os moradores, curiosamente, descobre pistas importantes para a investigação.

Teriam eles encontrado as respostas para um questionamento de oitenta anos?

Resta saber que motivo levara a bisavó de Ari afirmar na carta escrita há décadas, que nessa busca estava o futuro do jovem Ari.


A capa é linda, o projeto gráfico agradável à leitura. Recomendo!

Nota:



6 comentários:

  1. A autora sempre faz uma boa trama, rica em detalhes e que nos faz viajar no tempo. Este eu ainda não tive o prazer de ler.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rose!
      Eu preciso ler desde a primeira publicação \o/
      Bjks!

      Excluir
  2. Ansiosa para conferir esta leitura, mas ainda não consegui encaixar na lista enorme. XD
    Adoro as tramas de Lucinda exatamente pela mescla entre passado e presente.

    Minha Velha estante
    Leitura Nossa de Cada Dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dani!
      Nem me fale em lista enorme kkkkk
      Bjks!

      Excluir
  3. Adoro a autora, tenho dois livros seus e já desejo este A ROsa. Adoro a maneira como ela insere elementos históricos às suas narrativas.São ótimos dramas, com doses de romance e mistério. E o tempo passado misturando com o presente, ai, me encanta!
    Adorei a resenha!
    Ler para divertir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manu!
      Menina, eu preciso ler desde o primeiro livro kkkk
      Bjks!

      Excluir

 
Google+