10

Bienal do Livro de 2014

em segunda-feira, 25 de agosto de 2014
E a palavra da vez é: Jogos Vorazes!

Sim, meus queridos, eu me senti participando de um momento apocalíptico, onde era matar ou morrer. Por favor, não vejam isso como um exagero, mas quem participou da Bienal no sábado, entende todas as minhas palavras.

Após o meu encontro com o Harlan Coben promovido pela Editora Arqueiro, eu andei ainda extasiada para a Bienal do Livro, já que teria todo o dia para visitar cada editora, encontrar e conhecer pessoas que apenas conheço através das redes sociais. Era como pisar nas nuvens... só que não. Logo na entrada, vi milhares de pessoas aglomeradas, com poucas informações, em um calor infernal, uma empurrando a outra.

Como consegui o credenciamento para entrar no Bienal, procurei informações para conseguir a credencial, e pasmem: além de ninguém me dar uma informação correta, fui discriminada por ser uma blogueira! A equipe que estava auxiliando no credenciamento usou de palavras depreciativas para os blogueiros, algo que me deixou extremamente chateada. Mas tudo bem, depois de várias informações imprecisas e erradas, eu consegui a minha credencial, e mesmo frustrada, consegui entrar na Bienal. E foi onde comecei a entrar em choque.

Milhares de pessoas estavam na Bienal para conseguir o autógrafo de autores internacionais, como Cassandra Clare, Kiera Cass, Harlan Coben, Lucinda Rilye, assim como de autores nacionais, como Padre Fabio de Melo, Paula Pimenta. Eu sabia que a Bienal estaria cheia, mas foi impossível andar na Bienal.

Onde se olhava, existia uma fila. Fila para entrar no stand, para pagar a compra, para sair, filar para comer, para usar o banheiro, fila, fila, fila e mais fila. O sinal da internet caiu logo de manhã, e depois, o sinal dos celulares. Tentar comprar algo era praticamente impossível, e tentar encontrar o amigo... não tinha condições.

Mas não posso dizer que a Bienal foi totalmente ruim. Eu tive vários momentos bons durante o dia.

Participei Encontro de Blogueiros da Intrínseca, que teve a participação especial de Hugh Howey – autor do Silo. E também participei do Encontro de Blogueiros da Arqueiro, Sextante e Saída de Emergência.



Conheci algumas das pessoas que converso nas redes sociais, como a Bruna do Supreme Romance, a Thais, a Rosana do Livrólogos, a Barbara do Indeath (que me abandonou na Bienal e não tirou uma foto comigo, rs), a Hérida do Lendo nas Entrelinhas (que também não tirei foto, rs), entre outros blogueiros que encontrei no dia.

Consegui conhecer o fofo do Felipe da Editora Planeta, onde ficou um bom tempo conversando com o grupo.


Finalmente, conheci a Natália, a Fernanda e Mariana da Editora Arqueiro. Todos os meses eu converso com elas, e ainda não nos conhecíamos pessoalmente.


Não consegui conhecer mais pessoas, pois era impossível entrar em qualquer stand. Mas, valeu a pena todo o stress pelas pessoas que conheci.

Comprei apenas dois livros: a nova edição do livro Príncipe Sombrio (que estava por R$ 20), e o livro Não Olhe para Trás de Jennifer L. Armentrout (estava por R$ 25).


Enfim, mesmo com tudo o que aconteceu, eu tive vários momentos agradáveis com pessoas maravilhosas. E ficou de lição para nunca mais me aventurar na Bienal no final de semana (risos).

Saldo da Bienal:
- Dor nos pés;
- Muito calor;
- Um horror a qualquer fila;
- Um trauma para qualquer aglomerado de pessoas;
- E poucos livros comprados.

Duas pessoas esgotadas no final do dia, rs.



10 comentários:

  1. ai miga, como eu queria ta nessa muvuca... mesmo com aperta e empurra devia tá muito bom! pena que faltou organização dos eventos e na disposição de estandes, pois 4 autores tops no mesmo dia em estandes próximos é pedir pra ser o inferno na terra
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Carlinha
    Realmente foi apocalíptico...
    Eu me senti no meio do armagedom... rsrsrs Foi quase traumático...
    Não consegui encontrar ninguém sem sinal de tel/internet...
    O melhor momento foi quando eu passei pelo portão da saída... rsrsrs
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Oi Carlinha!

    Essa foi a minha primeira Bienal eu sonhei tanto com ela!!! Mas como você falou, foi apocalíptico. A minha sorte foi ter ido na sexta que estava mais tranquilo então pude visitar os estandes. Mas quase não consegui encontrar outros blogueiros, só os que dei sorte de trombar pelos corredores,e não tive pique para ficar até na hora do encontro da Arqueiro... eu já estava morta à noite. Uma pena, queria muito ter te conhecido pessoalmente. Quem sabe na próxima a gente não combina?
    B-jus!

    ResponderExcluir
  4. Oi Carla, fim de semana é mesmo cruel, eu fui no domingo. Quero ver se vou no meio da semana mais uma vez. Pena que não nos conhecemos.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  5. Show você conheceu a Hérida do LnE *-*
    Mas Bienal é assim mesmo, o ideal é ir em horário que quase ninguém vai e sem programação interessante. É melhor mesmo para ver as novidades, pq nem sempre os preços estão bons. Mas sempre temos lembranças inesquecíveis da bienal do livro. Aguardo pela Bienal do RJ ano que vem* -*

    ResponderExcluir
  6. Acho que a palavra que melhor define é frustração, não eram nem dez horas da manhã e as 500 senhas da Kiera já tinham acabado ( os boatos que foram dados para pessoas com credenciais no dia anterior estava forte, quase escondi a minha pra não me xingarem).
    Faltou muita organização e essa é quarta bienal e essa foi a pior de todas,e eu não pude entrar em todos os stands e isso para mim é triste.
    Será que não tem como fazer um sorteio online de senhas para os autógrafos? assim reduziria um pouco o publico, só um pouco.
    Sim, também aprendi a lição de não ir no fim de semana e que se for levar uma mala que seja uma com rodas viram 360 graus.
    bj

    ResponderExcluir
  7. Eu daria qualquer coisa para estar nessa muvuca, mas, entendo que é frustante mesmo, não ter como olhar as coisas, encontrar alguem, imagino que fazer xixi era artigo de luxo. Gente, esse Hugh Howey é bonitão não é?
    Agora fiquei de cara com a discriminação de blogueiros, afff, é o maior marketing de qualquer Editora.
    Para fazer compras mesmo, melhor dia de semana sem nenhuma grande atração la não é ?

    ResponderExcluir
  8. A cara de cansadinha de voces na ultima foto é de dar dó mesmo,rsrs! Nossa que horror o pessoal ao invés de dar orientações corretas, ficaram depreciando blogueiros? Como assim? Fico tonta em ver que tem pessoas que desconhecem totalmente a importancia de um blogueiro literário pra um evento do porte que é a Bienal né, mas enfim, o bom é que voce, mesmo enfrentando fila pra tudo, se divertiu muito, fez compras e ainda encontrou uma galera ótima das redes sociais, isso tudo é impagável, com toda certeza! Bjão! :)

    ResponderExcluir
  9. Nossa, é uma pena que o que as pessoas mais comentam foi a falta de preparo e estrutura pra receber tanto leitores no evento...E olhe que essa é a 23ª edição, já deveriam estar feras nisso... Apesar dos problemas, fico feliz que tenha conseguido conhecer pelo menos 01 autor e comprar 02 livros 9que pos sinal soube que a maioria estava muito cara)..mas, enfim, espero que quando eu for pela primeira vez em 2016 ,eles estajam mais preparados...bjs

    ResponderExcluir
  10. Menina, o que foi aquilo no Sábado?! Você ainda teve credencial, e eu que passei HORAS na fila para comprar ingresso? Mas, sabe ainda assim eu adoro Bienal. Queria ter conhecido vocês todas mas mais uma vez não deu certo :(
    Eu voltei no dia no dia 29 e estava cheio mas bem mais tranquilo.
    E vc conheceu o Harlan Coben! Que máximo!!!
    bjs!
    Thaís:)

    ResponderExcluir

 
Google+