5

[Resenha] Willow

em quinta-feira, 2 de outubro de 2014
Willow
Julia Hoban
Leya Brasil

Willow escrito pó r Julia Hoban é um livro impactante, sobre uma jovem que se mutila na tentativa de encontrar o equilíbrio após a perda dos pais.
Sete meses atrás, em uma noite chuvosa de março, os pais de Willow acabam bebendo muito durante o jantar e pedem a ela que guie o carro até em casa. Por uma fatalidade, Willow perde o controle do veículo e seus pais morrem no acidente.

Consumida pela culpa, Willow deixa para trás sua casa, amigos e escola e, enquanto tenta retomar a relação de afeto e companheirismo com o irmão mais velho, secretamente bloqueia a dor da perda cortando a si mesma. Ela não consegue aceitar a dor da perda, e tudo o que vê é que as pessoas estão sendo condescendentes por ela ser a culpada pela morte dos pais. A única coisa que faz com que ela mantenha a sanidade são cortes que faz no próprio corpo.

Mas quando Willow encontra Guy, um rapaz tão sensível e complexo quanto ela, mudanças intensas começam a acontecer, virando seu mundo de cabeça para baixo. Ele logo descobre o que ela está fazendo e tenta ajudá-la, sendo o suporte que ela precisa para aceitar a perda e deixar de lado a mutilação.

A narrativa de Julia é intensa, impactante, onde conhecemos uma protagonista consumida pela dor e culpa. Willow não conseguiu aceitar a dor; ela não chorou, não viveu o luto, o único pensamento que a consome é a culpa.

O que aconteceu com Willow foi uma fatalidade, poderia ter acontecido com qualquer pessoa, mas ela não aceita isso. O irmão mais velho não consegue conversar além do trivial, o que faz com que Willow pense que ele a culpe pelo que aconteceu.

A chegada de Guy faz com que a jovem comece a voltar a viver. Mesmo com a necessidade de se cortar para se manter equilibrada, Willow nota o quanto isso perturba Guy, e começa a se segurar. É um longo caminho para se percorrer até que deixe de sentir a necessidade de se cortar, mas Willow começa a dar um passo por vez.

Willow é um romance inesquecível sobre uma jovem que precisa lidar com a perda dos pais e com o medo de se deixar viver um romance. Impossível não se sentir tocado pela confusão de sentimentos da protagonista, assim como ela começa a notar que tem o direito de ser feliz.

Nota:



5 comentários:

  1. Nossa que tema forte: auto mutilação!
    Outro dia assim um filme parecido com essa premissa. A protagonista descobriu que a mãe traia o pai e na tentativa de fazer a mãe terminar com o caso, acabou ocasionando um acidente e consequentemente com a morte da mãe e do amante.
    Com o passar dos anos ela tmbm se cortava e não se permitia relacionar mais profundamente com ninguém a diferença é que no filme a protagonista já era adulta.
    Bj!

    ResponderExcluir
  2. Tbm achei forte Gladys, logo mutilação. Parece ser um livro super intenso e complexo tbm, pq envolve todo o desenrolar pra Willow superar esse trauma, não deixar o luto, mas ao menos conseguir seguir em frente.Um desafio mesmo deve ter sido escrever esse livro!
    um abraço Carla!

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha Carla. O livro possui uma temática bem interessante e até mesmo forte. Fiquei com vontade de ler. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Soube mais deste livro no encontro da editora com os leitores na bienal. Fiquei muito interessada. O tema é polêmico, mas eu leria sem problemas.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Não sei o que pensar sobre isso, pois a culpa nos consome e nos tortura e no caso da Willow precisaria de conselhos e de alguém para dar o suporte. Deve ser uma leitura interessante...
    bjs

    ResponderExcluir

 
Google+