4

[Resenha] O Guerreiro do Oeste

em terça-feira, 4 de novembro de 2014
O Guerreiro do Oeste
Crônicas do Rei Arthur - Livro 02
M. K. Hume
Editora Record
516 páginas

O Guerreiro do Oeste escrito por M. K. Hume é o segundo volume da trilogia Crônicas do Rei Artur, onde encontramos uma narração única sobre uma lenda marcante.

Desde que li o primeiro volume, fiquei apaixonada pela escrita de Hume e foi uma tortura terminar o livro sabendo que não teria o próximo para ler. A sensação que se tem é que a autora está ao nosso lado, contando uma história antiga.

Doze anos sangrentos se passaram desde que Artor cumpriu seu destino e foi coroado rei dos bretões. Contra todas as expectativas, ele uniu a Britânia celta e, com uma última grande campanha, baniu a praga saxônica. O jovem soberano conteve a ameaça, ainda que isso tenha custado a vida de sua esposa e seu grande amor, Gallia.

Mas, mesmo após ter eliminado todas as ameaças externas, seu reino começa a ser minado de dentro para fora e uma nova ameaça surge.

Glamdring, o Punho de Ferro, um feroz líder saxão, mantem uma oposição poderosa ao fortalecimento da Britânia, e Artor precisará de toda sua inteligência e sangue frio para lançar uma última campanha contra seus antigos inimigos.

Na vida pessoa, Artor segue os conselhos ade Merlinus e desposa Wenhaver, uma bela e jovem nobre, em busca de um herdeiro. Mas Wenhaver se releva cruel, mesquinha, vaidosa e influenciável, onde a personalidade da rainha pode colocar a perder tudo o que Artor lutou para conseguir.

Não só Artor é traído pela única pessoa na qual deveria ser capaz de confiar, como também descobre uma terrível corrupção no coração de seu reino. Ele precisa fazer uma escolha arriscada: ou cometer um ato que o faria ser comparado ao tirano Uther Pendragon ou deixar que o mal continue agindo livremente.

O peso da liderança e do poder repousa agora exclusivamente nos ombros de Artor. Será que tudo pelo qual Artor lutou terá sido em vão? Será esse o fim da Britânia?

Um fato que me chama a atenção na narrativa é que Hume navega pelas lendas de Artur sem utilizar da magia ou fantasia. Sua narrativa e realista, detalhada, onde é fácil a imaginar que todos os fatos são reais. Os personagens são falhos, imperfeitos, movidos por ambições, paixões, onde costumeiramente destroem aquilo que tanto lutaram para conseguir.

Artor é inteligente, forte, brutal, luta com todas as forças para conquistar a tão sonhada paz entre os saxões. Dá-se o direito de ter poucos amigos em quem confia, que se tornam sua verdadeira fraqueza. A cada perda, Artor se afasta ainda mais do homem íntegro que era, tornando-se parecido com o cruel pai, Uther Pendragon.

A narrativa tem aquela sensação de tragédia, e a cada capítulo, ficava com o coração na mão, esperando quais eram os novos obstáculos na vida de Artor. Dividi-me entre o amor e a dor durante a leitura, amando os personagens e suas imperfeições, assim como odiando a autora, com o rumo trágico que seguia com sua trama.

É uma das melhores histórias que já li sobre as lendas do Rei Artur, principalmente pelo detalhe de não existir a magia. São pessoas normais que devido a diversos fatores, foram obrigados a extrair o melhor do que tinham em mãos para conseguir vencer as impossíveis batalhas. Estou dividida entre uma depressão pós leitura e ler novamente os dois volumes, esperando a publicação do terceiro (risos).


Para os leitores apaixonados por enredos medievais, trazendo uma inovadora história para a lenda do Rei Artur, não pode deixar de conferir a trama de M. K. Hume. Ficará surpreendido com essa história, apaixonado por uma narrativa única e inesquecível.

Nota:



4 comentários:

  1. O livro parece ser bem escrito,
    mas ele não é meu genero preferido, alias quase não li nada medieval...
    eu gosto de livros que tenham magia e pelo que li de sua resenha a magia foi tirada desta historia,
    mas para quem curte a historia deste guerreiro acredito que sera uma ótima leitura,
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Não lembro de ter lido sua resenha do livro anterior, e realmente parece ser bem legal esta série. Vou procurar mais informações sobre ela, pois quero saber um pouco mais dela.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Nunca havia ouvido falar dessa série e consequentemente nunca li nem as crônicas do rei arthur :/
    Acho até que gostaria de dar uma lida nele, pelo que você escreveu parece ter um teor histórico e como eu sempre gostei das aulas de história, não vejo porque não gostaria dele *-*
    beijoss
    Sublimar-me

    ResponderExcluir
  4. Eu amo livros de temática medieval, mas amo ainda mais quando é fantasia medieval. Se bem que eu acho, pelo modo como o livro é conduzido, se colocasse magia, ia ficar sem sentido, perdido, pq o objetivo do livro é tornar a história mais realista possível. Acho que por ser muito sério, eu não conseguiria ler. Mas também fiquei atraída pelos desenvolvimendos complexos dos personagens. Se tem algo que mais amo em um livro, é o aprofundamento na personalidade do personagem, suas escolhas, seu caráter. Boa resenha Carla, me fez querer o livro hein! hehe

    ResponderExcluir

 
Google+