3

[Resenha] O que aconteceu com Emma

em segunda-feira, 22 de dezembro de 2014
O que aconteceu com Emma
Elizabeth Flock
Verus Editora
280 páginas

O que aconteceu com Emma escrito por Elizabeth Flock é um livro emocionante, contado pelo ponto de vista de uma jovem criança e de uma mulher adulta, ambas com passado distintos e tocantes.

Carrie Parker, uma menina de nove anos, e sua mãe acabam de se mudar de uma cidadezinha na Carolina do Norte, prontas para deixar para trás seu passado turbulento e recomeçar do zero. A violência estilhaçou essa pequena família e deixou a mãe da garota quase incapaz de continuar. E Carrie, que antigamente encontrava consolo em sua adorada irmã, Emma, agora está proibida de seques mencionar o nome dela.

A mãe de Carrie a culpa por tudo o que aconteceu, principalmente pela mais recente situação de ter que se mudar da cidade, após a morte do segundo marido. A todos os instantes, ela está a insultar, espancar e aterrorizar Carrie, ameaçando-a caso ela volte a citar o nome de Emma.

Será que Emma é apenas uma invenção de Carrie, uma irmã imaginária? Por que a mãe impôs com veemência que o nome dela não pode mais ser falado em voz alta?

Nessa nova cidade, Carrie vai conhecer três gerações de mulheres da mesma família, que parecem ter o lar acolhedor com que ela sempre sonhou. Mas conforme Carrie e Cricket se tornam amigas, nenhuma delas consegue escapar dos segredos que suas famílias escondem, e no momento em que for finalmente revelada, a verdade vai transformar a vida dessas mulheres.

Honor, mãe de Cricket, assim que conhece Carrie, lembra da filha mais velha que morreu em decorrência da leucemia. Acreditando que é um milagre, uma segunda chance de ficar próxima da falecida filha, Honor e Cricket se aproximam de Carrie, tratando-a com todo o amor e carinho, algo que a pequena não sabe o que é.

Em uma nova cidade, vivendo das sobras de lixo, papel, argila e o que encontrar para se alimentar, encontramos Carrie na tentativa de sobreviver, ficando o mais afastada da mãe, que cada vez mais, a maltrata e espanca.

A história dessas duas famílias é emocionante, onde ficamos com o coração na mão, cada vez que mais detalhe é revelado.

Carrie é uma alma antiga presa em um corpo de uma menina de nove anos. Ela já viu e viveu de tudo, não sabe o que é carinho e o amor da mãe, já sentiu no corpo as dores da violência e do desprezo, e apenas tenta conquistar um minuto de atenção da mãe, única pessoa que restou. Vive com a lembrança da irmã mais nova, Emma, mas já mentiu tanto sobre a sua existência que começa a acreditar que ela é fruto da sua imaginação.

Honor perdeu a filha mais velha para a leucemia, e agora vive tentando recuperar o amor do marido que se afastou. Carraaie é igual a sua filha, até o nome, e quando a conhece, abraça todos os problemas da jovem, tentando dar o amor que a criança não tem.

A história é narrada pelo ponto de vista de Carrie e Honor, onde nos emocionamos a todos os momentos com a história dessas duas protagonistas. Com uma narrativa cadenciosa e emocionante, Elizabeth tece um enredo impactante sobre amor, violência e infância perdida.

É um livro de leitura obrigatória para aqueles que procuram enredos com dose de mistério, drama e muita emoção.

Nota:



3 comentários:

  1. Olha primeiramente tenho que confessar que achei essa capa do livro MARAVILHOSA, porque acabou deixando bem REALISTA sabe? Quanto a sua resenha tenho que confessar que a história não chamou muita minha atenção, mas eu acho que vou tentar saber mais dele, porque a capa por si só chamou a minha atenção. A história em si é que gênero? É que não gosto de leitura muito pesada. Espero que me responda.

    beijinhos

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Está a toda, só aproveitando o fim de ano pra ler bastante hein Carla!
    Parece bem tensa a história, me deu vontade de ler, pois promete provocar bastante suspense, e muita curiosidade! Apesar de não ser meu gêero, fico imaginando uma narrativa no ponto de vista da menina, e de todos os medos e perguntas que ela possui.

    ResponderExcluir
  3. Ah Carla, parece bom, mas não é o que quero ler no momento.
    A carinha da modelo na capa já me fez sofrer, imagina a leitura...

    ResponderExcluir

 
Google+