4

[Resenha] A vida como ela era

em terça-feira, 6 de janeiro de 2015
A vida como ela era
Os Últimos Sobreviventes – vol. 01
Susan Beth Pfeffer
Editora Bertrand
375 páginas

A vida como ela era escrito por Susan Beth Pfeffer, é o primeiro volume da série Os Últimos Sobreviventes, que traz um enredo pós-apocalíptico, onde acompanhamos o cotidiano de uma família após a destruição da Lua.

A vida de Miranda é como a de qualquer adolescente de 16 anos: família, amigos, garotos e escola. Suas principais preocupações são os trabalhos extras que os professores passaram, tudo por causa de um meteoro que está a caminho da Lua. Ela não entende a importância do acontecimento; afinal, os cientistas afirmam que a colisão será pequena. Mas, mesmo assim, acredita que esse será um evento interessante a se observar, com binóculo, do quintal de casa. 

Para surpresa de todos, o impacto da colisão é bem maior do que o esperado, e isso altera de modo catastrófico o clima do planeta. Terremotos assolam os continentes, tsunamis arrasam os litorais e vulcões entram em erupção. Em 24 horas, milhões de pessoas estão mortas e, com a Lua fora de órbita, muitas outras mortes são previstas.

Os supermercados ficam sem comida, e Miranda e sua família precisam lutar pela sobrevivência em um mundo devastado, onde até a água se torna artigo de luxo.

É o primeiro livro que eu leio onde acompanhamos a catástrofe desde o início. O comum é o leitor já ser inserido em mundo modificado, e aos poucos, conhecer o que aconteceu no passado.

Em A Vida Como Ela Era, acompanhamos desde o início, as consequências da colisão de um meteoro na Lua. Como a sociedade que conhecemos aos poucos vai se destruindo, tornando-se caótica e violenta.

A família de Miranda precisa estocar comida que não seja perecível, pois a energia está toda hora caindo, não garantindo o funcionamento das geladeiras e refrigeradores. A gasolina cresce a uma velocidade estrondosa, e um simples litro, é valioso demais. Quase não se tem alunos na escola, já que eles não conseguem chegar até elas, ou não querem mais aprender nada. A rua está um caos, onde os sobreviventes se armam e buscam alimentos para garantir a sobrevivência.

Através do diário de Miranda, acompanhamos todos os acontecimentos, onde ela não esconde nada, mostrando a falta de esperança que eles começam a sentir. Mesmo assim, ainda lutam contra esse sentimento desesperador, acreditando que tudo será normalizado.

A escrita da autora surpreende, onde me deixou curiosa para ler a continuação e descobrir com a sociedade está lidando com os sobreviventes. Para os leitores que gostam de livros sobre desastres, não pode deixar de conferir essa série.

Nota:



4 comentários:

  1. Parabéns pela resenha Carla! Estou ansiosa para ler A Vida Como Ela Era! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  2. OI Carla...Parecia que estava lendo a resenha de um filme até! Adorei pois ainda não li nada parecido com esta temática somente em filmes e amaria ler algo assim.Não conhecia o livro e com certeza vou incluir a obra na lista de desejados.
    Ótima resenha =)

    ResponderExcluir
  3. Confesse que me sinto com um pouco de medo com histórias assim por serem tão reais e tão possíveis de acontecer. Parece aqueles filmes que sempre passaram na Globo, retratando o fim do mundo, desastres e coisas do tipo. Mas parece ser um livro bem interessante.

    ResponderExcluir
  4. Essa resenha me lembrou da situação que São Paulo está piorando aos poucos. Em várias partes da cidade estão sem energia elétrica, o problema da água então... hoje noticiaram que acaba em março... enfim, voltando, eu não sei o que esperar do livro, principalmente de Miranda, pois pelo que pude perceber, eu provavelmente, me irritaria com ela. :x hahahaha Pq os autores tem mania de colocar personagens com 16 anos? :/ haha me sinto tão velha.

    beijos

    Amy - http://il-macchiato.com

    ResponderExcluir

 
Google+