4

[Resenha] Ovelha – Memórias de um Pastor Gay

em quarta-feira, 9 de dezembro de 2015
Ovelha – Memórias de um Pastor Gay
Gustavo Magnani
Editora Geração

Começo dizendo que para ler esse romance biográfico é necessário ser livre de qualquer preconceito.

Iniciei a leitura curiosa e um pouco temerosa de ser um livro que iria falar muito de pregações religiosas um tanto perturbadoras, com tema impositivo, mas o que encontrei foi uma biografia em forma de romance, diferente de tudo que já li antes. A ousadia e a coragem do autor me assustaram, os relatos são grosseiros e pornográficos, mas suportável e muito interessante.

O tema é bem atual, homofobia, dentro de nosso lar e fora dele, o personagem nos relata todo o seu sofrimento, desde a sua infância encontrado dentro do seu lar quando o seu pai sendo um homem rude e  intolerante, principalmente em relação a sexualidade de seus filhos, e sua mãe uma evangélica fanática e cega, não vê o quanto de problemas seus filhos apresentam bem debaixo de seu nariz. Ele vem a descobrir o peso do preconceito de todos, passando assim a ser uma pessoa amarga, destrutiva, intolerante, se escondendo atrás da religião evangélica herdada pela mãe, chegando ao cargo de pastor.

Como pastor totalmente perturbado e despreparado e ainda por cima sendo tão homofóbico como os outros ao seu redor, passa a viver uma vida amarga, fazendo todos sofrerem, inclusive ele por não se aceitar, tornando assim uma pessoa depressiva, longe de ter amor, bondade, solidariedade para com seus fieis, abusando assim daqueles mais frágeis.

Seu mundo de orgias não escondia o quanto de revolta tinha em seu coração, fazendo com que ele desejasse sempre mais e mais parceiros tanto homens como mulheres, quanto mais sofrimento ele causasse mais ele se realizava. Assim foi até que ele construiu uma família, que você vai conhecer mais detalhes de como se deu tudo isso, vai acontecer um fato novo que vai fazer com que reveja toda a sua vida até ali e consulte a sua consciência. Ao realizar a sua autobiografia tentar aliviar um pouco a sua consciência de tudo o que fez a si e aos outros, buscando o auto perdão.


São relatos totalmente perturbadores, mas que nos leva a pensar, se nós não estamos em nosso meio de convívio agindo assim, tão preconceituosos e algozes, como o personagem do romance.


4 comentários:

  1. Olá, Rita.
    Já li o livro e gostei bastante. Apesar de não ser perfeito tecnicamente falando, abre discussões valiosíssimas. Foi uma leitura muito proveitosa.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de dezembro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  2. Ei Rita!
    Esse livro deve abrir precedentes para boas discussões entre os amigos ne... Me parece ser bem polêmico e sensível!
    Adorei!

    Beijos!
    Fabi Carvalhais
    http://pausaparapitacos.blogspot.com.br | facebook.com/pausaparapitacos | @pausaparapitacos

    ResponderExcluir
  3. Nossa parece ser bem interessante e polêmico. Acho que me agradaria a leitura, por ser exatamente diferente como você relatou. Uma ótima dica.
    Adorei o blog, beijos.
    www.euvoceeoslivros.com

    ResponderExcluir
  4. No livro ele é um Pastor, mas creio que Padres também passam muito por esse dilema, principalmente por causa do celibato.
    Achei bem polêmico, e acho que renderia bastante discussões!

    Beijos
    http://poyozodance.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Google+