15

[Resenha] O que há de estranho em mim

em sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016
O que há de estranho em mim
Gayle Forman
224 páginas
Editora Arqueiro

O que há de estranho em mim é a primeira história de Gayle Forman, onde podemos visualizar algumas características em sua narrativa que se tornarão marcantes nos livros seguintes.

Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. 

Brit sofreu o abandono da mãe que doente, não consegue se lembrar muito da filha ou o marido. Quando viu o pai se casando pela segunda vez, e sabendo que logo teria um irmão, Brit percebe que logo não terá mais espaço em sua casa. Com isso, ela procura se afastar, encontrando o seu lugar na banda.

Mas chegar tarde da noite, sua notas baixas, suas respostas grossas são o gatilho para que o pai resolva interná-la, onde Brit sente-se ainda mais abandonada que podia imaginar.

Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. 

Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.

Na instituição, Brit descobre que ela é a mais “normal” entre tantas. Existem aquelas que estão ali para descobrirem a “cura” por ser lésbicas, outras tem tendências suicidas, se mutilam, ou são anoréxicas. E ainda tem aquelas que não tem nada, mas por não concordarem com algumas situações, foram internadas pela família. E a clinica funciona em um sistema de recompensa, onde elas têm uma escala de seis níveis, onde cada um significa mais liberdade. Mas a cada desafio ou rebeldia, elas podem ser rebaixadas.

Brit teme ter herdado a mesma doença da mãe, ao mesmo tempo, que começa a se descobrir ao lado das amigas. Cada um tem seu problema ou particularidade, mas juntas, conseguem vencer qualquer uma das dificuldades que surgem na clinica.


Confesso que não me emocionei tanto quanto os outros livros da autora. Mas não posso negar que a história é intensa, sempre tratando de assuntos perturbadores e intensos de forma delicada. A leitura foi rápida, e torci por um desfecho feliz para cada uma das jovens. 

Nota:

15 comentários:

  1. Adoro a Gayle Forman e já li todos os livros que ela publicou aqui no Brasil. Nem sei dizer qual livro dela que eu mais gostei, pois todos me deixaram bem entusiasmada. Achei interessante que você colocou que não se emocionou tanto com esse livro, quero ler o mais rápido possível e ver se vou reagir igual você.
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, Carla!
    Confesso que não tinha nenhum interesse em ler algo da Gayle, até que li a sinopse desse livro e fiquei super curiosa. Ele está aqui na lista de leitura e será um dos próximos.
    Beijos
    Balaio de Babados | Participe do sorteio do livro Marianas

    ResponderExcluir
  3. Quando vi esse lançamento fiquei doida pra comprar, tá na lista. Ual parece ser bem forte , e um assunto mais delicado, como você mesma disse. Ser internada sem "motivo" é meio estranho .. rs

    Beijo
    www.apaixonadaporleiturass.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi!!!
    Gosto muito da autora que quero ler todos os livros dela, inclusive este que tem dividi opiniões. A resenha passa ser um livro intenso e emocionante, parabéns pela clareza e sinceridade.

    Beijos
    Carla Fernanda
    http://livrosqueliblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Verdade Carla, o livro é mesmo intenso, eu adorei, mas ainda morro de amores por Eu Estive Aqui que é sensacional!!!

    Beijão, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Verdade Carla, o livro é mesmo intenso, eu adorei, mas ainda morro de amores por Eu Estive Aqui que é sensacional!!!

    Beijão, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bem?
    Eu tenho visto muitas resenhas desse livro, e a maioria é positiva. É uma pena que o livro não tenha te emocionado tanto quanto os outros, mas fico feliz que tenha gostado da historia. Parece ser um livro de superação, de encontrar o seu lugar no mundo. Espero ter a oportunidade de o ler.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Carla. Estou louca pra ler esse livro, a cada resenha que leio fico mais interessada. Adoro livros densos assim e se você não se emocionou, eu já tenho certeza de que irei sofrer e chorar, pq sou dessas rsrs. Louca, louca pra ler!
    Bj
    www.viciadosemleitura.blog.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Carla.
    Eu ainda não li o livro mas posso imaginar que seja mesmo uma história intensa e fico curiosa com essa leitura. Quero ver o desenvolvimento dessa história, saber no que vai dar essa "loucura" das amigas e entender melhor o que acontece com a Brit, assim como com suas amigas também.

    ResponderExcluir
  10. Oie.
    Eu estou super ansiosa por esse livro, amei a premissa e adorei a capa.
    Adoro esse tipo de trama, familia conturbada, traumas e tal. Acho que vai ser uma leitura e tanto.
    Em 2014 eu tentei ler Se eu ficar da autora e realmente não saí das 70 primeiras páginas, a mia é muito chata, irritante e egoísta, mas algo me diz que o que ha de estranho comigo vai me agradar.
    Adoreiii de verdade a premissa.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, acho esse livro meio perturbador sabia???

    Tua resenha está ótima e o fato de não se emocionar tanto me leva a querer conhecer os outros livros da autora...só conhecer, não consigo ler esses livros com cargar dramáticas...

    amei a resenha...

    bjs

    ResponderExcluir
  12. Oiiii

    Nossa nunca li nada dessa autora. Me lembro quando lançou este livro fiquei morrendo de vontade de lê-lo, tinha uma promoção super boa dele nas Americanas por R$9,90, me arrependo amargamente de não ter comprado.
    O enredo parece ser bem legal, com assuntos bem sérios, tive a impressão que a clinica mais parece uma instituição de tortura do que qualquer outra coisa, deve ser aqueles livros que mechem bastante com o nosso psicológico. Vou espar outra promoçãozinha para comprar ahahhah

    Bjoss

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito dessa resenha e pretendo ler o livro o quanto antes. Acho que a temática de garota abandonada até é batida, mas essa coisa da internação e o crescimento da personagem podem apresentar o diferencial.
    Ouço falar muito bem dele e, mesmo não tendo te emocionado tanto, valeu bastante balãozinho, então vou dar uma chance.

    ResponderExcluir
  14. Já li dois livros da autora, um eu achei ok e o outro amei, e venho lendo opiniões diversas sobre os novos lançamentos da autora por aqui. Essa premissa de ter vários temas mais densos embutidos e uma rehab (?) com valores retorcidos me deixaram bem curiosa.
    Para você não ter se emocionado tanto quanto os outros deve ser por se tratar do drama ser abordado de forma diferente ou a Gayle ter mudado isso durante sua escrita.

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Eu tenho uma relação de montanha russa com a autora... tem livros que gosto, outros que não consigo nem terminar. Mesmo assim, fiquei curiosa com esse e resolvi arriscar. Gostei bastante da leitura. Acho que o fato de a narrativa ter ficado intensa mas não cheia de drama fez com que eu gostasse mais da história.
    Beijinhos,
    Lica

    ResponderExcluir

 
Google+