22

[Resenha] Amor Plus Size

em terça-feira, 1 de novembro de 2016
Amor Plus Size
Larissa Siriani
280 páginas
Verus Editora

Amor plus size escrito por Larissa Siriani traz um livro jovem, com uma narrativa super envolvente que traz a importância da aceitação, sem se deixar levar pelos “padrões” de beleza.
É o primeiro livro que eu leio da autora, e apreciei bastante a forma como conduziu toda a história. Principalmente por trazer como protagonista, alguém que não veste o tamanho 38 do manequim. E não estou dizendo isso de forma negativa, mas apreciando o fato de que não precisa ser mignon para ser a heroína de um livro (algo que vemos em praticamente todos os livros de romance).

Maitê Passos é uma garota linda, de dezessete anos e mais de cem quilos. Ela passou a infância e a adolescência sendo resumida ao peso. Mas e quando é justamente esse o fator que pode mudar completamente a sua vida?

Uma das garotas mais lindas da escola sempre está a humilhá-la devido ao seu peso, e ela sente vergonha de tentar fazer a amizade com qualquer pessoa na escola. Ela conta apenas como o melhor amigo e fotógrafo amador, Isaac, e as duas melhores amigas. Valentina e Josiane. Sua mãe é obcecada por dietas e sempre está a tentar algo para que ela emagreça. E os únicos que a aceitam como ela realmente é, são os três amigos.

Em meio ao turbilhão, Maitê precisará fazer um trabalho com um crush antigo, Alexandre, o cara mais gato da escola onde os dois iniciam uma amizade. Após determinados acontecimentos e para consolar a amiga, Isaac resolve fotografá-la e assim mostrar para um amigo da família que trabalha com agência de modelos, onde Maitê é contratada para ser uma modelo plus size.

Será que a jovem Maitê que se esconde atrás de uma parede, conseguirá vencer os próprios preconceitos para mostrar a beleza que tem?

Antes de começar a falar algo sobre a história, preciso dizer o quanto eu me identifico com Maitê com relação ao peso e tamanho. Eu sempre fui mais alta e também mais pesada que as minhas amigas, e por isso, vivia com vergonha de me mostrar, e até mesmo me aceitar. Como não estava no “padrão” de beleza da moda, entendia que tudo em mim estava errado, e por isso, não poderia colocar uma roupa que me valorizasse.

Inclusive, era muito difícil encontrar alguma roupa para o meu tamanho (eu uso manequim 46 e 48 dependendo do modelo da roupa). O máximo que encontrava era um raro 44 que não servia nem por reza, e assim eu desanimava ainda mais.

Com o tempo, comecei a notar que não existe um padrão de beleza, que para estar e ser bonita, eu precisava me olhar no espelho e me ver bonita. Assim, comecei a procurar outras roupas, iniciaram a moda plus size que valoriza muito minhas pernas grossas e meu quadril, e com isso, aprendi a me aceitar.

E é exatamente isso que acontece com Maitê, ela não se aceita, não procura algo que valorize o seu físico, e entende que apenas que as roupas de tamanhos menores são as corretas para se usar. Como estava enganada...

Com uma narrativa envolvente, Larissa traz o problema de muitas jovens, que não consegue se aceitar devido ao padrão de beleza absurdo que muitos valorizam e apoiam. Impossível não se encantar com o amadurecimento da protagonista, assim como os problemas atuais que ela relata no decorrer da trama. Com um linguajar jovem, Maitê ensinará a muitos com seu jeito tímido e sincero de ser.

Nota:



22 comentários:

  1. Olá, Carla. Esse livro retrata a realidade de muuuuuitas pessoas na atualidade, pessoas de todas as idades. Os padrões que vemos na mídia estão há muito tempo fazendo uma lavagem cerebral em todos e impondo que as magras são lindas, mas aos poucos vamos combatendo essa ideia fajuta. Adoro livros que são próximos da nossa realidade... Gostei muito da sua resenha. Beijos.

    thehouseofstorie.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Acho importante a maneira como autores tem se preocupado em tratar de minorias, seja em questao de peso, opção sexual, raça, a gente precisa de espaço! Parando pra pensar, nunca tinha lido algo com uma protagonista acima do peso, olha só como indiretamente a gente reforça esteriótipos ne? Obrigada por essa resenha, já salvei nos favoritos e com toda certeza vou comprar assim que possivel.

    ResponderExcluir
  3. Ola Carla
    Eu ja fiquei curiosa juntamente pelo fato de haver a questão de aceitação e afins. Por fim, gostou muito de esse ttpo de ambientação, que expoem situações que merecem grande importância. Eu não conhecia esse titulo, mas com certeza ja gostaria de poder fazer eesa leitura.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Carla!
    Eu já queria esse livro só de ver a capa, agora com sua resenha sei que preciso ler. Também vou me identificar com a protagonista. Achei muito legal ela não seguir os padrões impostos de beleza.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  5. Assim como você esse livro retrata um pouquinho da minha história. Sofrinum bom tempo em relação ao peso e hoje eu desencanei. Quero emagrecer mas por mim e não pra seguir um padrão de estética e beleza. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Carla, quando eu era adolescente até mais ou menos meus vinte anos eu era super magrinha. Depois que tive meus filhos engordei consideravelmente e bo começo eu morria de vergonha de mim mesma, das piadinhas da família dizendo quanto engordei. Deixei até de sair com vergonha do que as pessoas iam dizer. Então me identifiquei muito com a Maitê também. Eu ainda estou aprendendo a gostar de mim como sou e as vezes tenho dificuldades com isso então acho que vai ser uma leitura bem interessante para que eu reflita...
    Dica anotada...
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Ainda não tive nenhum contato com a escrita da Larissa, mas já vi uma ou duas resenhas a respeito dessa sua obra além dessa aqui apresentada.
    A autora parece tratar com muita leveza um tema que para muitas garotas é um problema presente. Desde nova também sempre vesti um manequim maior do que o padrão imposto pela sociedade e a um tempo atrás tinha vergonha. Por causa da saúde tive que emagrecer um pouco, mas ainda assim não visto 38 rsrs 42/44 é melhor.
    Adorei a resenha e concordo com você é o inicio tem que partir da gente.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Já fui godita e confesso que sinto falta de ser godita, emagreci por percausos de saúde. Mas sei bem como é essa coisa idiota de preconceito com peso, mas acredite há o oposto também, preconceito com magreza. Posso dizer que conheço as duas formas de preconceito. E isso não é nada legal. Mas sabe sempre achei que a beleza é algo relativo, ninguém agrada a todos mesmo. O importante é se sentir bem e que se f*** a opinião publica. Fiquei interessada nesse livro, ótimo pra trabalhar nas escolas esse tema. Gostei de verdade. E sorry pelo textão rs

    ResponderExcluir
  9. Oi! Não li o livro, mas achei a premissa bem interessante. É muito bom ver uma mocinha que não é a mesma bonitinha "perfeita" de sempre.
    Bjs
    thais

    ResponderExcluir
  10. Oi Carla... esse livro foi um sucesso absoluto na bienal e eu não consegui o comprar.
    Adorei a sua resenha e tenho uqe dizer que eu me identifico muito com a protagonista da história e com você pelo que disse.
    A sua dica está mais do que anotada!!

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  11. Oi Carla, tudo bem?
    Desde que esse livro saiu, estou muito curiosa para conferir a obra. Afinal, é um tema que poucos autores falam sobre e gostaria de saber como é a personagem, as dificuldades que ela passa e se irá se sair bem no trabalho como modelo. Adorei a sua resenha, super apoio essa ideia de não precisar se encaixar nos padrões de beleza para se sentir linda e espero ler o livro o quanto antes.

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  12. Oi Carla,
    Estou doida para ler esse livro. Acho que a questão do peso ainda é uma realidade pouco abordada na literatura de entretenimento. Aqui e ali as vezes tem um epsódio, mas nada que seja muito aprofundados. Meg Cabot até explorou isso na série dos livro Tamanho 42, tanho que visto por sinal, mas me espanto como muita gente ainda acha que isso é gorda. E no caso do livro da Larissa já vemos essa questão de uma forma mais contundente.
    Quando eu era mais nova eu sentia mais essa pressão de ter o peso ideal, até mesmo sofrendo bulling dentro da minha própria família. Mas hoje nem me importo mais, até tentei a academia, mas eu mais faltava do que ia. rsrsrsrs

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  13. Ou Carla! É terrível quando nos deixamos escravizar por estes padrões bizarros de beleza. Temos que nos aceitar como somos e não como os outros gostariam que fôssemos. Já tinha visto o livro por ai, e gostei de saber mais dele.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Eu curti o livro e essa capa lacradora, mas desanimei quando senti que poderia ser um daqueles clichês, menina tem queda pelo mais foda da escola e ele no final enxerga ela e vivem felizes para sempre. Espero que não seja assim, porque eu gosto de histórias diferentes e esse livro, só pela sua temática, já faz ser mega interessante, então eu adoraria ler para tirar minhas conclusões! Sua resenha ficou ótima, adorei mesmo!

    ResponderExcluir
  15. Amei, Amei, vou querer ler sim, também passei por esse problema e ainda acho um pouco difícil de me aceitar, embora eu seja bem alta ter 100 quilos não eh fácil. todos me falam mas você é alta nem parece que é gorda. ainda não me sinto feliz com todas as minhas roupas e achar calças 48 ou 50 é bem complicado. me vejo totalmente na situação de Maitê. Eu acho muito difícil me encaixar nessa sociedade tão acostumada com os modelitos MIGNON.... Mas eu tive uma amiga que me disse uma vez: "a melhor carne do churrasco não é o filé mignon, é a picanha... uma bela peça de carne com uma gordurinha de lado.!!!" BJBJ
    ♥♥♥ Amantes de Jane Austen ♥♥♥ | XOXO Amantes de Jane Austen no FB XOXO

    ResponderExcluir
  16. Confesso que no início, antes de ler a sua resenha eu achava se tratar de uma história completamente diferente, mas gostei bastante do que encontrei! Achei muito legal essa temática diferente que retrata esse "padrão" que cismam dizerem ser o correto, e realmente espero que ela consiga se soltar e mostrar que existe beleza em todos os tamanhos, o importante é se sentir bem! Vou procurar para adquirir e espero gostar tanto quanto você <3
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  17. Olá,

    Não conhecia a obra, mas eis que foi uma surpresa agradável encontrar sua resenha. Gostei muito da premissa do livro, porque tal como você disse, vestir 38 não é necessariamente um padrão de beleza estabelecido e ver histórias que abordem o outro lado, visando o empoderamento feminino é muito bom. Gostei muito da premissa do livro e também das suas impressões, eu sou muito baixinha, então já sofri um bullying por isso, ao contrário de você que é mais alta haha. Adorei a resenha, com certeza vou investir na história.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  18. Olá Carla,
    Que livro mais interessante e com um grande significado para você não é? É muito ruim quando tentamos nos encaixar e não nos encaixamos, é difícil ser diferente, pois as pessoas não aceitam.
    A protagonista sofre com isso em todos os lugares, inclusive em casa e isso me irrita demais, pois é onde ela precisava de apoio.
    Vou anotar a dica, pois tenho certeza que essa obra vai me agradar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Oi
    Gosto de leituras assim, que tentam nos abrir os olhos para padrões impostos pela sociedade.
    Sempre fui uma garota plus size, mas nunca tive problemas com isso. Me aceitar fez com que eu não me sentisse excluída, mas infelizmente isso não é uma realidade para a maioria das pessoas.
    Mas que bom que ele livro significou tanto.
    Espero ter oportunidade de ler uma dia.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  20. É tão ruim ver como acabamos nos deixando levar por, digamos uma força maior, que dita como devemos ser, que tamanho devemos ter... Pior ainda que isso acontece quando ainda não temos a maturidade suficiente para ir contra - e nisso fico feliz em ver que a personagem cresce e que passa a entender que não é só com determinada roupa ou corpo que se pode ser feliz.
    Só fico com pena em ver que mesmo com tanta luta para que a aceitação chegue o que vem acontecendo cada vez mais é pessoas/marcas e lojas achando que plus é 44 ou no máximo 46/48 limitando seus números a esses e achando que esse é o máximo que uma plus pode ser pois maior que isso é feio... Claro que é melhor do que chamar uma 38 de gorda, mas para quem como eu sofre na pele por ser maior do que isso é um desafio constante. O que me deixa feliz em ver livros com protagonistas como a Maite. espero me identificar com ela :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  21. Ooi,
    Amei a proposta do livro. Com certeza é um assunto que todas nós nos identificamos de alguma forma. Não sei se vou ler, mas achei uma ideia incrível e com certeza vou indicar.
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  22. Olá!

    Livros deste estilo são sempre bem vindos e creio que, assim como o bullying, transtornos afetivos, padrões de beleza também devem ser abordados!

    A proposta que o livro traz é muito bacana e tenho certeza que justamente por isto, conquistou vários e vários leitores!

    ResponderExcluir

 
Google+