0

[Resenha] Graça e Fúria

em terça-feira, 6 de novembro de 2018
Graça e Fúria
Graça e Fúria vol. 01
Tracy Banghart
304 Páginas
Editora Seguinte

Graça e Fúria é o primeiro volume escrito por Tracy Banghart de uma série de fantasia de mesmo nome, onde teremos duas irmãs vivendo diversas situações em uma trama repleta de romance, ação e intrigas políticas.

Confesso que esse livro já começou a conquistar pela capa/contracapa, depois a sinopse que aumentou a minha curiosidade. E durante a leitura, a narrativa da autora me conquistou desde a primeira página, e preciso saber o que acontece com as protagonistas.

“Na trama, conhecemos Viridia, um país onde as mulheres não têm direitos, não podem saber ler e escrever (nem pensar em estudar), não podem ir contra a qualquer regra do governo e só devem servir os homens. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Essas graças podem vir a gerar um herdeiro, mas não tem a oportunidade de educar a criança.


Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, recebia o pouco que a família poderia prover para ter a melhor comida/bebida para ter um corpo atraente para o futuro governante. Mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres.

Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.”

Serina sempre aceitou o seu destino de se tornar uma graça. Ela nunca quebrou as regras, sempre obedeceu. Nomi foi criada para ser a aia da irmã, ficar ao lado dela, mas como cresceu sem ter escolhas, ela sempre quer mostrar que as mulheres precisam ter direitos.

A narrativa é muito envolvente, os capítulos são alternados entre o ponto de vista de Nomi e Serina, onde permite ao leitor a possibilidade de acompanhar mais do enredo, além de ver o amadurecimento das protagonistas. Com uma linguagem jovem, a autora leva o leitor a refletir sobre opressão e injustiça, que precisamos usar da inteligência (e muitas vezes de estratégia) para mudar as situações que acontecem ao nosso redor.

Serina sempre foi passiva, aceitando todas as regras. Quando se vê em um lugar que era totalmente o oposto em que vivia e acreditava, ela precisa se adaptar para sobreviver, onde encontra uma força que nunca imaginou ter. Nomi sempre teve um espírito rebelde, mas quando não tem mais a irmã para proteger, ela se vê obrigada a tomar as próprias decisões, que podem trazer consequências.

O maior detalhe que chama a atenção na trama é a opressão contra as mulheres. De uma forma radical, as mulheres não têm direito a nada, apenas a servir. Aprender a ler e escrever são uma transgressão gravíssima, e a punição é viver em uma prisão onde ou a mulher se adapta ao ambiente violento e sem regras, onde acaba morrendo. É cruel, incomoda, ainda mais por notar que mesmo se tratando de uma fantasia, as mulheres ainda são oprimidas na realidade. Houve uma melhora com relação ao tratamento às mulheres, hoje temos direitos (algo que não tínhamos no passado), mas ainda somos agredidas física e emocionalmente. Acredito que outros tempos virão, onde todos serão tratados como seres humanos, independente do seu sexo.


Mas vamos voltar a trama... A história termina naquele momento crucial, onde necessitamos da continuação com urgência. Confesso que não acreditei quando cheguei à última página da história sem ter a continuação para ler, foi muito cruel isso, rs. Com uma trama recheada de reviravoltas, Graça e Fúria e tende a conquistar vários leitores e deixá-los ansiosos para ler a sequencia da trama.

Nota:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Google+